ÚLTIMAS ATIVIDADES

 

17/08 Live Café com Segurança - "Causos" da área de segurança

06/08 - Live MCM - fontes de alimentação

16/07 Live da Aproseg - Dicas sobre instalações

04/05 Live Recarregando a Bateria, com o tema A Evolução do CFTV28/04 Live da Equipe Segurança Brasil, no CT Segurança

14/02 Palestras para a equipe de vendas da Bellfone

 

 

 

'Causos' do Instituto CFTV

 

Por Eng. Claudio de Almeida

 

Esta é uma sessão para descontrair, para rir um pouco...

 

Todo mundo tem uma história engraçada para contar, que aconteceu em alguma obra.

 

E todos também já ouviram falar nos famosos 'causos' que os caipiras contam, sobre o tamanho do peixe que pescaram, assombração, etc.

 

Resolvi dar esse nome a esta seção pois vou contar aqui casos engraçados que aconteceram comigo, que presenciei, ou que me contaram.

 

E posso garantir que, diferentemente dos 'causos' do caipira, são todos reais.

 

Porém,  para preservar a identidade dos protagonistas, preferi usar nomes fictícios.

 

Se você tem algum caso engraçado e interessante, que valha a pena ser compartilhado, me envie que, se for publicado, seu nome e empresa aparecerão nos créditos.

 

 

Parkinson e o galpão de bicicletas

 

Esse 'causo' não é relacionado à área de segurança, mas é sobre uma situação que tomei conhecimento recentemente e acho que podemos aprender muito com ela e também aplicá-la no nosso dia a dia.

 

Foi formada uma comissão para a construção de uma usina nuclear,  que aprovou o projeto sem muita discussão, já que um grupo de especialistas se ocupou disso.

 

Essa mesma comissão teve que decidir a cor do galpão onde seriam guardadas as bicicletas dos funcionários, uma questão bastante trivial.

 

Porém, toda a equipe se envolveu em um debate sem fim sobre isso, já que todo mundo resolveu opinar.

 

O resultado é que foram investidos mais tempo e energia para decidir a cor do galpão do que na construção da usina.

 

Esse caso ficou conhecido como bikeshedding, e é um bom exemplo da lei da trivialidade, que mostra como organizações perdem mais tempo com assuntos sem importância do que com aqueles que realmente importam.

 

E, se você parar para pensar, vai perceber que também acaba fazendo isso no seu dia a dia...

 

 

As leis de Parkinson

 

Você já deve estar se perguntando o que esse tal de Parkinson tem a ver com isso, não?

 

È que essa história comprova a terceira lei de Parkinson, que faz parte de um conjunto de três leis que foram enunciadas em 1957 por Cyril Northcote Parkinson (na foto à direita), um historiador naval britânico que ironizava a burocracia.


Mas quais são essas leis?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Primeira lei de Parkinson

 

"O trabalho se expande até preencher todo o tempo disponível para sua realização."

 

 

- Você organiza seu dia, faz a lista de clientes e obras que pretende visitar mas, no final do dia, percebe que não cumpriu nem metade da lista...

 

- Um cliente liga dizendo que tem uma câmera com problema na instalação que você acabou de entregar. Você agenda uma visita logo cedo para verificar o problema, resolver, e depois partir para a nova obra que você está instalando. Coisa de meia hora, no máximo uma hora, você imagina. Mas o dia chega ao fim e você ainda está tentando resolver o problema do seu cliente...

 

Esses são dois bons exemplos da primeira lei de Parkinson.

 

 

Segunda lei de Parkinson

 

"As despesas aumentam até cobrir toda a receita."

 

Você acha que teve um mês muito bom, bastante produtivo. Porém, ao fazer as contas no final do mês, percebe que não sobrou quase nada depois de ter pago todas as contas.


Essa lei também pode ser explicada pelo ditado: "Quanto mais se ganha, mais se gasta."



Terceira lei de Parkinson

 

“O tempo dedicado a qualquer item da agenda é inversamente proporcional à sua importância”

 

Essa é a lei que foi comprovada na história do galpão de bicicletas.

 

Temos a mania de começar pelo mais fácil, normalmente não muito importante, como checar as mensagens no Whats App, verificar as postagens no Facebook, no Instagram...

 

Então a falta de tempo é na verdade fruto de uma falta de prioridades, uma tendência de procrastinar os assuntos mais difíceis.


Conclusão

 

A terceira lei de Parkinson é a lei que foi comprovada na história do galpão de bicicletas, contada acima.

 

Ela também nos mostra que quanto mais pessoas se envolverem em um assunto, mais ele vai demorar para ser resolvido.

 

Por isso não deixe que muita gente dê palpite no seu trabalho, senão ele nunca termina.

 

Sabe aquelas pessoas que parecem estar sempre ocupadas, que vivem dizendo que não têm tempo e, que no fim,   não vemos nenhum resultado palpável em todo esse "esforço"?

 

Elas são um bom exemplo da primeira e terceira leis de Parkinson.

 

 

Bibliografia: EL PAÌS SEMANAL - Por que nunca tenho tempo? Francesc Miralles 29/08/2020

 

 

 

Veja outro 'causos' aqui

 

 

Out/2018

Quer saber quando novos artigos serão publicados?

Enviando formulário…

O servidor encontrou um erro.

Formulário recebido.

Gostou deste artigo? Deixe um comentário!

comments powered by Disqus

Copyright ©2014 Instituto CFTV - Todos os direitos reservados

Conforme a Lei 9.610/98, é proibida a reprodução total ou parcial deste site por qualquer meio e para qualquer fim, sem autorização prévia do autor.